sexta-feira, 4 de setembro de 2009

meus olhos abrem!
olho ao redor,tudo está escuro.
o barulho traquilo do despertador
insiste em querer me acordar.
fecho os olhos!
a claridade invade minha mente
meus pensamentos voam
feito águias a procura de sua caça
e se perdem feito fumaça ao vento.
meus olhos voltam a abrir!
e aquele tranquilo 'bip'
toca a cada 5min
o tempo passa
o tempo pirraça
e a escuridão insiste em estar presente.
o barulho se acaba,
o silêncio torna-se gritante.
e meus olhos, tornam a fechar levemente!

3 comentários:

Fátima Lima disse...

Poema que reflete um cotidiano que oscila entre a necessidade de um "acordar" e um persistente desejo de "adormecer"

Marcela Teti disse...

Doce de côco, você escreve?
Você tem Blog?
A irmã mais velha se espanta.
Ainda é poeta.
Não é a toa que desperta em mim tanto interesse.
Vaga pelos territórios que a broquice da minha cabeça pequena me impede de circular.
Alguém de fato é artista na família de concepções quadriculadas.
Te admiro!
Sinto sua falta.
Já pensou em ser jornalista?
Não é uma ironia.
Um beijo admirado,
gigante,
de quem te ama e te quer bem.
Felicidades.

Leandra disse...

Esse é seu? Lindo Lindo...Vou copiar..Adorei.